segunda-feira

Junho época de Festa Junina...podemos aproveitar comendo de tudo!!!


As festas juninas são uma tentação para quem precisa evitar alimentos calóricos. Afinal, as comidas típicas são todas muito gordurosas. Mas segundo a professora de Nutrição da Faculdade de Medicina de Petrópolis Brigitte Olichon, ninguém precisa se privar de comer essas delícias. Basta optar pelo preparo de receitas lights. “A tradição nos faz preparar pratos ricos em açúcar e gorduras, o que interfere na absorção adequada dos nutrientes e aumenta muito o valor calórico desses alimentos.O problema está em como e quanto ingerimos”, afirma.
A nutricionista explica que, além de gostosos, os pratos juninos são feitos com alimentos ricos em nutrientes e importantes para a manutenção da saúde, como o amendoim, a abóbora, o milho e a batata doce. “Não devemos excluir esses alimentos de nossa rotina, nem evitar comê-los nas comemorações juninas, mas aprender a aproveitar o que cada um deles tem de melhor, garantindo sabor e saúde nas receitas”, diz. Veja os benefícios de cada um deles e aprenda algumas receitas:

Milho: tem muita fibra e é rico em vitamina B1, que ajuda na regularização do sistema nervoso e aparelho digestivo, e tonifica o músculo cardíaco. Também é rico em vitamina E, antioxidante que combate a degeneração muscular, atua no crescimento e protege o sistema reprodutor, aumentando a potência sexual. É ainda rico em fósforo, necessário ao cérebro. Uma boa opção de receita com milho é a pamonha light.

Batata-doce: rica em betacaroteno, vitamina C e vitaminas do complexo B, é também uma excelente fonte de potássio, fósforo, cálcio e ferro (cerca de 25% das necessidades diárias em ferro). Possui poderosos antioxidantes e é excelente fonte de fibras.

Amendoim: tem proteínas ricas em aminoácidos essenciais, que não podem ser sintetizadas pelo organismo humano. Seu valor nutritivo não se altera durante a torrefação e suas gorduras também são ricas em ácidos graxos essenciais. É fonte de vitaminas do complexo B e uma das mais importantes é a B5, já que sua carência conduz à dermatite, diarréia e demência. Também inibe a absorção do colesterol e é rico em fibras, potássio, cálcio, magnésio, ômega-6 e outros componentes. Veja como fazer uma paçoca light.




"VIDA LEVE" selecionou as melhores receitas para você realizar a SUA Festa junina saudável!!! 







Só clicar  para acessar os sites:

                  
                    16 Receitas Típicas Light
                         
Outras opções              







                           

sábado

Que óleo usar?


Com tantas opções de óleos de cozinha no mercado e com as informações diversas sobre eles, a gente sempre fica na dúvida de qual usar e por que seria a melhor escolha.
Segundo a nutricionista Luciana Harfenist, para o bem da nossa saúde, o melhor óleo é sempre o que vem da fonte mais natural possível. "Azeite, milho, coco. Mas, como cada óleo tem uma composição e o nosso organismo necessita de todas as gorduras, o ideal é alternar o consumo deles", ensina a especialista. Mas, dependendo do que você vá preparar na cozinha, é bom ter em mente como cada um desses óleos podem beneficiar o sabor do seu prato. "Sempre recomendo que o refogado seja feito com azeite e a fritura, quando for necessária, no óleo de canola por conta do seu ponto de fusão", sugere Alessandra Almeida, nutricionista funcional da Clinica Andrea Santa Rosa.
             Abaixo, como cada um pode fazer o seu prato ficar mais saboroso e saudável:

domingo

Você topa encarar um desafio?




 Vamos

 começar

  desde já!










Obs.: Não se esqueça que é extremamente importante o acompanhamento de um(a) nutricionista, caso queira fazer uma reeducação alimentar. 

quinta-feira

Vai um cafézinho aí?


Para quem é usuário do café, ele ajuda a estimular, além de contribuir para concentração e a reduzir os radicais livres
Estimulante, ajuda na concentração e a reduzir os radicais livres presentes no organismo. Essas são algumas das principais propriedades do café. Originado da Etiópia, a bebida ganhou ares e chegou no Brasil no século 18. Desde então, tornou-se o queridinho dos brasileiros. Muitos irão comemorar o Dia Internacional do Café, nesta quinta-feira (14), saboreando uma generosa xícara.

Presente na cozinha da casa, no restaurante ou até mesmo no trabalho, muitos brasileiros não conseguem viver sem ele. Além da bebida tradicional, o café pode ser consumido em diversas formas como: expresso, americano, macchiatto, expresso panna, duplo, cortado, café com leite, cappuccino, café latte, breve, mocha, irlandês, caramel macchiatto, havaiano, amaretto, árabe, carinbenho, submarino ou quintafrio.

Café é uma obra prima em forma de bebida.
A barista Lidiane Santos explica que o produto é composto por diversas vitaminas e minerais. Ela diz que o organismo funciona melhor quando consumido pelo menos uma vez por dia, deixando as pessoas mais espertas. "O café possui varias propriedades, entre elas a cafeína, que ajuda a estimular o ânimo do usuário. Além disso, o que deixa calórico são as substâncias colocadas nele".

Uma pesquisa da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, apontou que beber entre três e cinco xícaras de café Durante o dia reduz a probabilidade de morrer prematuramente de doenças cardíacas, suicídio, diabetes ou mal de Parkinson. Tanto o café comum quanto o descafeinado despontam como benéficos para a saúde, segundo os pesquisadores.

Para tomar aquela xícara de café sem deixar o sabor amargo, a barista orienta o consumidor a escolher o grão do tipo gourmet a especial. "Os cafés tomados diariamente são mais amargos porque têm uma quantidade maior de defeitos como grãos pretos, verdes ou ardidos", explicou. 

Ela também afirma que para preparar um bom café caseiro é necessário tomar alguns cuidados. "Quem for fazê-lo não pode deixar a água ferver. Além disso, é importante não deixar o café cozinhar com tudo junto, porque isso vai diminuir o amargo". Ela ainda sugere escaldar o filtro de papel para depois adicionar o pó. Logo em seguida, explica Lidiane, a pessoa deve colocar água aos poucos para que passe rápido e não ficar com sabor amargo. O café tem ainda minerais como magnésio, fósforo e zinco e trabalha em prol até mesmo da estética. Confira alguns benefícios do café no nosso organismo. 


1. Café dá energia 
A cafeína age sobre os receptores de adenosina, que é um neurotransmissor responsável pela diminuição da atividade cerebral. Com os receptores bloqueados, a atividade neural aumenta e estimula a glândula adrenal a liberar adrenalina, deixando o corpo em alerta. 
2. Contribui para a digestão 
O café funciona como um aditivo, melhorando o funcionamento do metabolismo hepático na sintetização de proteínas e eliminação de toxinas. As propriedades bioquímicas presentes no café também se mostram benéficas contra o desenvolvimento de condições como fibrose hepática, que é o estágio inicial da cirrose, quando o fígado vai perdendo sua capacidade.
3. Beneficia a prática de atividades físicas 
A cafeína pode melhorar a performance atlética através de vários mecanismos, um deles sendo o aumento de movimento de ácidos graxos dos tecidos de gordura. Estudos mostram que a cafeína pode melhorar de 11 a 12% o desempenho nos exercícios. 
4. Café não aumenta a pressão arterial 
A unidade Café e Coração do Instituto do Coração (InCor) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) conduziu uma pesquisa com pacientes que estavam sob acompanhamento ambulatorial após sofrerem infartos ou serem diagnosticados com problemas de angina. Para os testes, os participantes consumiram de três a quatro xícaras de café ao longo de quatro semanas, e, em períodos distintos da pesquisa, utilizaram grãos com torras diferentes para preparar a bebida. 
Depois de semanas ingerindo cerca de 400 ml de café por dia, eles foram submetidos a exames que apontaram que não houve aumento na pressão arterial e nem arritmia cardíaca. Ainda na pesquisa, verificou-se que a torra mais escura seria a mais benéfica. 
5. A ação no cérebro
No cérebro, os ácidos clorogênicos e a cafeína, presentes no café, ajudam no desenvolvimento e no processo de desinflamação. Essas propriedades são benéficas nos casos de doenças degenerativas como Parkinson e Alzheimer, quando há um processo inflamatório no órgão. 
6. Diabetes tipo 2 
O consumo de cafeína também está relacionado a uma menor incidência de diabetes, de acordo com estudo recente do Departamento de Nutrição de Harvard. O café, consumido logo após as refeições, diminui a absorção da glicose pelo organismo. Além disso, a cafeína aumenta os níveis circulantes de uma proteína chamada SHBG, que reduz o desenvolvimento de diabetes tipo 2. 
7. Cheiro do café diminui o estresse 
Pesquisas do Instituto D’or, no Rio de Janeiro, mostraram que, para se obter os benefícios, nem é preciso beber o café. Os ‘voláteis’, substâncias dissolvidas no ar, mexem com o cérebro e trazem à tona as sensações de recompensa e gratidão. Além de dar prazer, interferem positivamente na saúde emocional. Essa é uma importante descoberta para o desenvolvimento de novos medicamentos para tratamento de enfermidades psíquicas. 
8. O café na estética 
O óleo de café concentrado promove atividade hidratante, antioxidante e foto protetora da pele que são utilizadas na composição de filtros solares e na elaboração de produtos que combatem a celulite, por exemplo. 

Fontes: www.recadosonline.com e www.entretenimento.ne10.uol.com.br

quarta-feira

Café da Manhã

O café da manhã é a refeição mais importante do dia, pois é com ele que reconstituímos as reservas de energia utilizadas durante a noite. Além disso, essa primeira alimentação ajuda a restabelecer as funções do aparelho digestivo e acelerar o metabolismo.
Ao pular o café da manhã por estar sem apetite ou até mesmo por falta de tempo para se alimentar, podemos causar hipoglicemia - que é a queda de açúcar no sangue que nos leva ao cansaço físico ao longo do dia, dores de cabeça, fome excessiva, fraqueza e até desmaios.

Veja três dicas de menu para você não deixar essa refeição de lado e ter um dia mais produtivo - mesmo que sua manhã seja corrida.
Fonte:Dieta com Sabor - www.estilo40.com


Dicas Vida Leve



Pratique a hidratação sólida

   Especialistas recomendam que deveríamos “comer” nossa água, presente em frutas e vegetais, para mantê-la no organismo. Isso porque, quando bebemos, o líquido simplesmente passa pelo nosso corpo. Será?


Sempre nos dizem que não bebemos bastante água.
Mas, convenhamos, é difícil manter a meta.
Isso porque a quantidade recomendada é de dois litros, ou oito copos grandes, por dia.
Só para relembrar alguns de seus benefícios, água é vital para regular a temperatura do corpo, lubrificar mucosas e articulações, transportar nutrientes e eliminar as toxinas.
Os especialistas de beleza ressaltam o bem que faz à pele, que mantém firme e brilhante, motivo pelo qual não podem descuidar de beber água as mulheres na meia-idade.
Isso porque, enquanto somos compostos de 75% a 80% de água no momento do nascimento, as células secam gradualmente com a idade e, no momento em que uma pessoa chega aos 50 anos, tem cerca de 50% de água nas células.No entanto, a ‘beber mais água “mensagem de saúde poderia ter sido um pouco over-jogado.”Mas, diferentemente da recomendação popular, beber mais água não vai resolver ou retardar o problema.
Para ser saudável, a hidratação significa manter a água no organismo, e não focar na água que passa direto por ele.Este é o argumento do livro The Water Secret (“O segredo da água”), lançado nos Estados Unidos pelo Dr. Howard Murad, professor de medicina na Universidade da Califórnia em Los Angeles (Estados Unidos).“Não há nada errado com a água potável mas, se não melhorarmos a capacidade de levá-la e retê-la nas células, ela vai direto pelo ralo, sem fazer-nos nenhum bem”, diz ele.
O autor adverte que os olhos, tornozelos inchados e um estômago inchados são sinais de um corpo que não está gerenciando a água de forma eficiente.“Desta forma, ela flutua entre as nossas células, nos envelhecendo e nos deixando mais gordos e lentos”.
No entanto, com a água que você “come” é diferente.
Isso ocorre porque a água nos alimentos é cercada por outras moléculas que a ajudam a penetrar em nossas células com mais facilidade, e garantem que permaneçam no nosso sistema por tempo suficiente para ser colocada em bom uso.“Quando comemos alimentos ricos em água, absorvemos a substância mais lentamente, porque ela está presa na estrutura destes alimentos,” diz o Dr. Murad.“Essa absorção lenta significa que a água permanece em nossos corpos por mais tempo, o que traz uma infinidade de benefícios adicionais”.
Ainda, os açúcares, proteínas, sais minerais e vitaminas naturais de frutas e vegetais ricos em água também suplementam os nutrientes perdidos através do exercício.
O Dr. Murad chama esse tipo de hidratação de “água estruturada”.
Sob este ponto de vista, um pepino inteiro (que pesa 100 gramas e contém 96% de água) pode entregar apenas 100 ml de líquido.
No entanto, por “comer” a água em forma de pepino, você obterá 100 ml de líquido que seu corpo pode realmente usar, e vai estar estocando fibra e nutrientes ao mesmo tempo.
Como bônus adicional, se esta água vier de variadas fontes vegetais, você estará cumprindo e até passando a meta diária de consumo de frutas e legumes, para além do mínimo de cinco porções recomendadas.
Saciada com este aporte de fibras e água, você vai comer menos e, com isso, poderá perder peso.
Mas, atenção: a ”água estruturada” só será aproveitada se os alimentos forem consumidos crus.
Isso porque o processo de cozimento quebra as membranas celulares das plantas e permite que a água em seu interior saia, junto com os nutrientes.


quinta-feira

Como e porque ler rótulos?

Somos bombardeados diariamente com informações sobre o que devemos ou não consumir. Para não sofrer de terrorismo nutricional é necessário conhecer os alimentos e ter senso crítico.

O rótulo é uma ferramenta importante para o consumidor. Saber “decifrá-lo” significa ter conhecimento do que realmente estamos ingerindo – tanto em termos calóricos, quanto nutricional.
E como avaliar a qualidade de um produto?
Confira dados básicos como:

– Data de fabricação e validade: isso vai mostrar se o produto está fresco. Se a validade tiver um tempo muito prolongada, desconfie! Provavelmente está cheio de aditivos químicos.
– Tabela nutricional: nem sempre é a melhor ferramenta para avaliar um produto, por isso dê preferência à listagem de nutrientes. Por lei, as empresas alimentícias são obrigadas a listar os alimentos em ordem crescente, ou seja, o primeiro é o que está presente em maior quantidade e assim sucessivamente. Além disso, ao olhar a lista é possível saber se o produto foi acrescido de açúcar, xaropes, gorduras, aromatizantes artificiais, corantes e adoçantes. Sempre avalie a quantidade de ingredientes – quanto menos, melhor.
Quem quiser se basear pela tabela nutricional deve levar em consideração que o valor de referência dos produtos é padronizado em 2000 calorias, enquanto a necessidade de cada indivíduo pode ser maior ou menor de acordo com inúmeros fatores.
É importante lembrar também que a ingestão de um alimento não pode ser baseada apenas em sua quantidade de calorias, mas sim em sua densidade nutritiva. Um exemplo clássico é o refrigerante zero, que apesar de possuir zero caloria, não agrega nada ao nosso metabolismo.

O que vale a pena analisar:

– Gorduras Totais: referem-se à soma de todos os tipos de gorduras encontradas em um alimento – tanto de origem animal quanto vegetal.

– Gorduras Saturadas: presente em alimentos de origem animal, devem ser consumidas de forma moderada, pois em grandes quantidades podem aumentar o risco de doenças cardiovasculares. Observe se o valor diário (%VD) é alto. Se for, o alimento não é saudável.

– Gorduras Trans: encontrada em grandes quantidades nos alimentos industrializados. Favorecem o aparecimento de doenças cardíacas. Evite ao máximo!

– Fibra Alimentar: auxilia no funcionamento intestinal e tem várias propriedades benéficas ao organismo. Procure consumir alimentos com alto %VD de fibras alimentares!

– Sódio: deve ser consumido com moderação, pois seu excesso pode levar ao aumento da pressão arterial. Evite os alimentos que possuem alto %VD em sódio.Observe e analise os alimentos antes de comprá-los! Isso faz toda diferença na saúde e na composição corporal! 

Os benefícios das frutas

Selecionei algumas frutas importantes para quem busca manter uma alimentação saudável. Confira essa salada de frutas e o benefício de cada uma delas. Aproveite!


Banana: rica em carboidratos fornece energia ao organismo; rica em potássio, um mineral importante para o bom funcionamento dos músculos; e em vitamina B6, importante para a formação de células do sangue;

Laranja: é uma fruta cítrica rica em vitaminas e minerais, principalmente em vitamina C, que ajuda a fortalecer o sistema imunológico e também é um potente antioxidante que ajuda a combater os radicais livres, naturalmente formados pelo organismo que em excesso podem causar danos as células do organismo, prejudicando a saúde e acelerando o envelhecimento. Saiba quais são as principais variedades da laranja;

Morango: é uma excelente fonte de sais minerais (principalmente ferro) e vitamina C. Também é rico em pectina que é um tipo de fibra que auxilia no funcionamento dos intestinos e no controle do colesterol. Ainda, contém antioxidantes, que podem ajudar a evitar o aparecimento de vários tipos de doenças. Aproveite para saber mais sobre os benefícios das frutas vermelhas;

Romã: rico em antioxidantes contribui para o controle do mau colesterol, além disso, seu consumo diário ajuda a combater a formação de coágulos sanguíneos, responsáveis pelos enfartes. Reduz a inflamação das articulações (artrite, reumatismo); ajuda no alívio de diarreias; ajuda a aliviar sinais de cansaço e atrasa o aparecimento dos sinais de envelhecimento;

Uva: Contém vitamina C e vitaminas do complexo B, mas o grande benefício da uva é ser rica em resveratrol, que está contido na sua casca, responsável pela melhoria da saúde cardíaca, prevenindo para vários tipos de câncer e aumenta a longevidade. Além disso, é diurética e laxante. Você sabia que o suco de uva é poderoso? Descubra aqui;

Ameixa: Esta fruta tem poucas calorias e é uma boa fonte de fibras importantes para a dieta, como a celulose e a pectina. Melhora o trânsito intestinal e a digestão. Outra de suas riquezas são as vitaminas A, E, e C, cálcio, potássio, ferro e magnésio.

                                                                                                     Fonte: www.nutricaopraticaesaudavel.com.br/